Compartilhe com seus amigos!

3 minutos de leitura

O ano de 2021 com certeza está entrando para a história da humanidade, não somente pelos impactos da pandemia COVID19 e todas as consequências que ela gera, mas também pela revolução digital que as empresas estão vivendo.

De uma hora para outra hábitos e costumes precisaram mudar diante ao cenário apresentado, rotinas foram diretamente impactadas.

Ainda estamos nos adaptando a esse “novo normal” da sociedade em cenário pandêmico onde as principais tarefas de nosso dia a dia foram definitivamente transformadas, como a locomoção, alimentação, educação, trabalho, compras e entretenimento, atividades estas que foram redefinidas de acordo com regulamentos e decretos dos governos nacionais e internacionais.

 

De acordo com as pesquisas do índice MCC-ENET (desenvolvido pelo Comitê de Métricas da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico) o número de vendas online cresceu em 110% no primeiro semestre de 2020 no Brasil, e a evolução dos e-commerces deram um salto de 47% de faturamento no mesmo período, o que significa um aumento de 20 bilhões para 38.8 bilhões no mesmo período.

 

 

Evolução do faturamento e-commerces ao longo dos anos

Evolução do faturamento e-commerces ao longo dos anos

 

Observando estes dados nota-se que o crescimento que já era notável nos últimos anos, se tornou ainda mais intenso devido ao cenário provocado pela pandemia.

 

Outro ponto a se observar foram as empresas que realizam delivery através de aplicativos que deixaram de ser serviços ocasionais e se tornaram serviços necessários.

 

E o que se pode concluir com todas essas informações?

 

Que o marketing digital é o formato de vendas do futuro, isso não é novidade para ninguém. Desde que surgiu a possibilidade de comprar e vender sem sair de casa através de sites que possibilitam o encontro de quem está com vontade de comprar ao vendedor que está pronto a vender, sair de casa para pesquisar preços ou procurar itens se tornou uma tarefa obsoleta diante da facilidade de uma pesquisa rápida em busca dos melhores preços e também de itens que muitas vezes não eram nem disponíveis em suas cidades 

 

É como aquele velho ditado diz: Quem chega primeiro bebe água limpa.

 

Nenhuma outra frase define tanto o que essa pandemia nos mostrou a respeito do marketing digital.

Com certeza dentro de muito pouco tempo será praticamente obrigatório até mesmo para empresas já consolidadas e de grande renome se adaptarem ao novo meio de compra e venda desse novo mundo digital 

Portanto aqueles que já tiverem conhecimento sobre os assuntos básicos e fundamentais que envolvem o marketing digital: (SEO, Copywriting, Google Ads- Face Ads, entre outros) com certeza sairão na frente e serão disputados dentro do mercado de trabalho. 

 

Bons profissionais da área poderão planejar uma campanha de divulgação de serviços ou produtos com uma persona bem definida. As ferramentas do “Novo mundo digital” possibilitarão o tráfego da marca de forma mais direcionada e assertiva em sua audiência com menos investimento das empresas para a campanha desejada, pois como sabemos, não adianta mostrar o produto para um milhão de pessoas que não se enquadram a nossa persona de clientes. Vale muito mais um investimento objetivo e alcançar 100.000 pessoas que se interessam diretamente pela campanha que está sendo promovida.

 

Sendo assim, pode-se afirmar, sem margem de erro ou sombra de dúvidas, que a publicidade e propaganda na internet além de ser muito mais barata em comparação aos veículos tradicionais, também atinge muito mais pessoas realmente interessadas no serviço ou produto que está sendo oferecido. E se é que pode-se dizer que houve algum lado bom em todo esse caos gerado pela pandemia, sem dúvida para os profissionais de marketing digital é o sinal mais claro de que estamos diante de uma revolução na área de compra e venda.

Compartilhe com seus amigos!

Deixe uma resposta