10 erros comuns de campanhas de Adwords

Compartilhe com seus amigos!

8 minutos de leitura

Quando vemos anúncios temos a impressão de que é simples de criar e que teremos resultados rápidos sem análise e sem estudo, mas na realidade operar a ferramenta do Google Adwords ou também conhecida por Google Ads (plataforma de anúncios do Google), pode não gerar o resultado esperado se você não souber como aplicar seu investimento. Pensando nisso separei aqui os erros mais frequentes encontrados nas campanhas:

 

1. Criar campanhas e grupos sem nome

Logo de início quando você cria uma campanha ela já vem com o nome de “Campanha nº 1” e o mesmo  acontece na criação de um grupo de anúncios. A questão é que se você deixar como número 1, como poderá analisar os resultados da sua campanha? Como emitir um relatório? Como saber qual grupo está performando melhor?  Se você não der um nome a sua campanha jamais desenvolverá a capacidade analítica chamada “bater o olho”, pois quando fizer sua primeira análise, você não saberá qual é o tema dos grupos, gerando a necessidade de acessar campanha por campanha, o que poderá dificultar sua análise.

 

2. Criar apenas 1 campanha e 1 grupo de anúncios com todas as palavras-chave do seu negócio

Esse erro também é muito comum quando se está começando a anunciar no Google Ads . A sua intuição na criação de uma campanha pode ser FATAL , estude e crie uma campanha redonda do zero.  As campanhas precisam ser categorizadas e grupos de anúncios separados por temas. Partindo desse princípio com certeza ao criar uma conta, não teremos apenas uma campanha na conta, mas várias.  Por exemplo um e-commerce de moda tem diversas categorias de produtos como: vestidos femininos, saias, calças masculinas, calças femininas e etc, então cada uma dessas categorias será uma campanha e os grupos de anúncios poderiam ser as subcategorias dessa loja, como: Categoria Vestidos Femininos – Subcategoria : Longo, Médio, Curto e/ou Subcategoria: Liso e Estampado e/ou Subcategoria: Marcas. Funciona dessa forma porque o Google busca a melhor experiência possível tanto para você anunciante quanto para seus usuários, pois quando o usuário busca pela palavra “vestidos estampados”, ele quer encontrar com praticidade as opções segmentadas a necessidade dele, sem perder muito tempo procurando esse vestido entre vários produtos que não lhe interessam. Muitas compras são imediatistas. Essa categorização das campanhas envolve a relevância do anúncio que está diretamente ligado a experiência do usuário e considerando que todas as palavras-chave do seu negócio não cabem em um mesmo anúncio, ao criar um grupo sobre “vestidos estampados”, deve-se comprar apenas palavras referentes a esse tema.

 

3. Usar apenas palavras-chave em correspondência ampla.Talvez você não saiba o que são correspondências de palavras-chave, vamos a um breve resumo:

Dicionário:

 

  1. correspondência substantivo feminino: ato, processo ou efeito de corresponder(-se), de apresentar ou estabelecer reciprocidade.

 

  1. intercâmbio de mensagens, cartas etc.

 

  1. comercial.

 

Sendo assim as palavras-chave funcionam da seguinte forma: você apresenta ao Google através de símbolos somados às palavras quais os tipos de pesquisa devem corresponder a elas.

 

Ex: Comprar sapatos:

 

Ampla: comprar sapatos vai corresponder as buscas de usuários por : comprar calçados, comprar ternos, comprar saias, comprar sapatos, comprar cadarço para calçados, comprar cola de sapatos.

 

Perceba que a correspondência ampla pode filtrar muito além dos nossos objetivos , incluindo conteúdos inapropriados. Essa correspondência não exige símbolos, basta apenas adicionar a palavra.

Frase: “Comprar Sapatos” vai corresponder a: comprar sapatos, comprar calçados, comprar sapatos pretos, comprar sapato social, comprar calçado para festa.

 

Nessa correspondência as palavras precisam estar na mesma ordem sendo ou pertencendo a uma frase. Existem outras correspondências que você pode utilizar como Exata e Ampla modificada. O objetivo da apresentação desse erro é que você estude como aplicar as correspondências de forma eficaz, não utilizando apenas correspondência ampla que pode fugir do seu objetivo principal.

 

4. Usar “Estratégia de Lance Maximizar Cliques” para sempre

A Estratégia de Lance Maximizar Cliques, é uma estratégia padrão que já vem definida na criação da campanha. Esse tipo de lance permite que o próprio Google otimize os custos por cliques para que você gere o maior número possível de cliques dentro do seu orçamento. O que você talvez não saiba é que essa estratégia pode te custar mais de R$ 50,00 (cinquenta reais) em um único clique quando não se define um lance máximo. O que você precisa saber é que essa estratégia pode sim ser muito boa, porém existem outras opções de teste como CPC (custo por clique) manual no qual você analisa e define os lances das suas palavras.

 

5. Não monitorar

Outro erro é não monitorar a sua campanha através de uma análise diária para simplesmente ver se está tudo certo. O mercado muda o tempo todo, transformando o comportamento das pessoas e influenciando diretamente suas campanhas, por isso, algumas otimizações realizadas que deram certo anteriormente podem não funcionar mais algum tempo depois. Assim como no caso da utilização de novas estratégias de lance é necessário monitorar o custo, evitando que você gaste seu orçamento diário em 1 hora. Já tive vários clientes de consultoria reclamando do insucesso de suas campanhas e tudo foi resolvido com disciplina para a rotina de análises.

 

6. Não fazer segmentação por local

Parece bobo, ou até mesmo óbvio mas muitas pessoas que estão começando seus anúncios no Google Ads passam despercebido por essa segmentação e acabam anunciando para o Brasil todo quando na verdade atendem somente um estado ou cidade do país ou até mesmo um raio próximo  do seu endereço. Isso acontece porque a configuração do Google deixa automaticamente selecionada a opção de local “Brasil”.

 

7. Não otimizar os lances

Esse erro está diretamente relacionado aos itens de nº 4 e 5. Junto com o monitoramento vem as otimizações necessárias, e uma delas é alterar o valor do seu custo por clique de forma estratégica. Quando se usa o CPC (custo por clique) manual principalmente é necessário que pelo menos uma vez na semana você verifique se a estratégia está seguindo seu curso para alcançar o objetivo final, com isso faça análise de quanto você está gastando no momento e quanto o Google sugere para que você alcance as primeiras posições.

 

8. Não usar o relatório de termos de pesquisa para negativar palavras

Já esse erro está bastante relacionado ao item 3.  Sobre as palavras-chave negativas, o ideal é que você adicione logo no começo as palavras que você não quer, como palavrões, pornografias, vagas de emprego e currículos, por exemplo.  Apesar de você já ter colocado essas logo no início, o ideal é que seja feito um monitoramento através do relatório de termos de pesquisas identificando quais palavras estão acionando os seus anúncios, neste você poderá identificar novas palavras para sua campanha e também excluir palavras que não lhe interessam ou não tem a ver com seu negócio.

 

9. Não ser objetivo em seus anúncios

Seja objetivo em seus anúncios e não “floresça” demais para que não fique um texto glamouroso, muito cansativo e nada vendedor.  Entenda que a maioria dos usuários que fazem pesquisa no Google já tem uma ideia do que querem e estão interessados em argumentos diferenciados de venda como produtos exclusivos, preço e frete grátis. Se for para anunciar um perfume vá direto ao ponto, não precisa falar que ele é sensual com notas de corpo de chá verde e oliva, ou que é o verdadeiro  equilíbrio entre a vida e a alegria de viver, você tem 80 caracteres de descrição para vender sua ideia, aproveite isso ao máximo, e não se esqueça de sempre adicionar um CTA (call-to-action : chamada para ação) no final das frases.

 

10. Achar que remarketing não é necessário

Já ouvi pessoas falando que não querem usar o remarketing por achar invasivo, ou por dar a impressão de estar “perseguindo” as pessoas.
Bom, se você está pensando assim, já está quebrando a primeira regra de mídia: PENSE COMO O USUÁRIO E NÃO COMO VOCÊ ACHA.  Agora eu te questiono: Todas as pessoas do mundo sabem como funciona um Remarketing? Todas as pessoas são muito conectadas com a internet? Todas as pessoas já fizeram pelo menos uma compra online na vida?  Somente quem está envolvido com o marketing digital sabe de fato como tudo funciona. Meus amigos de vinte e poucos anos não sabem o que eu faço e também absolutamente nada de internet além de mexer no Facebook e Instagram, para eles ser “perseguido” por um banner é uma mágica. E agora eu te faço outra pergunta: Quando a pessoa abandona seu carrinho de compras, qual é forma de você convencê-la a comprar com você? Não existe vendedor de loja que vai ficar colocando argumentos e descontos em uma conversa como acontece na loja física. O Remarketing te ajuda nesses argumentos e você pode falar à pessoa “hey volte aqui, tenho uma condição especial para você”. Como a pessoa se sente quando você se comunica diretamente com ela? Pense nisso antes de falar para você mesmo que o Remarketing não é uma coisa boa.

  • Etapa 1

Quer saber mais sobre as nossas formações? Entre em contato!

Seu nome

Seu telefone

Seu e-mail

Formação de interesse

Compartilhe com seus amigos!

Deixe uma resposta